segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Vamos falar de dinheiro?

Sempre noto em conversas com alguns amigos o quanto é difícil para eles falar sobre riqueza material. Alguns duvidam e até meio que se ofendem quando falo do meu desejo de riqueza e digo com naturalidade que não vejo mal nenhum em ser rico. Talvez por eu ter uma trajetória longa ligada a movimentos sociais todos esperem de mim uma postura contrária à riqueza material. Talvez porque durante um bom tempo eu realmente tenha tido essa postura. Sendo bem sincero, não faz muito tempo que eu deixei de pensar como esses meus amigos.


Sim, eu gosto de dinheiro. Muito!

Na infância meu personagem de quadrinhos preferido era o Tio Patinhas e eu sonhava em ser tão rico quanto ele quando crescesse, mas aí veio a adolescência e eu me aproximei dos movimentos e partidos de esquerda e assimilei a ideologia socialista. Reneguei o dinheiro e passei a achar que ser rico era uma injustiça com os pobres. Daí se seguiu uma visão também espiritual sobre o valor da pobreza e cheguei mesmo a cogitar viver uma vida de absoluta simplicidade.


"Quando eu crescer quero ser o Tio Patinhas"
Elinaudo Barbosa, 9 anos.

Porém, nunca consegui realmente me entregar a uma vida de simplicidade e a pobreza sempre me incomodou. Então comecei a rever minha relação com a ideia de riqueza e questionar minhas crenças e tabus sobre esse tema. Depois de um longo período de estudos entendi finalmente a razão não só do meu pensamento errôneo sobre riqueza e dinheiro, mas talvez a causa desse mesmo pensamento predominar em tanta gente. Essa razão é a crença na escassez.

Como tenho um grande senso de justiça e tenho amigos que também o tem, tanto eu quanto meus amigos acabamos assimilando a ideia de que ser rico é injusto, pois para enriquecermos teremos que nos apoderar dos parcos recursos que existem, privando a maioria das pessoas do acesso a eles. A verdade porém é que não existe escassez, senão para aqueles que creem nela, infelizmente a maioria da humanidade.

Já tenho o baú do tesouro. Vem aí a caixa-forte. :)

Ao me libertar da crença na escassez posso conciliar meu desejo de riqueza com meu senso de justiça, tirando de mim a culpa pela pobreza e miséria que tantas pessoas sofrem. E o melhor de tudo é que meu desejo de contribuir para que os outros melhorem suas vidas também pode ser satisfeito, pois agora posso dividir com todos a verdade sobre a abundância, mostrar que o Universo tem infinitas possibilidades para todos, inclusive para pessoas como eu, que querem a riqueza material.

E é por isso, por esse desejo de contribuir com um mundo melhor que eu passo a escrever e falar sobre riqueza, dinheiro e abundância. Quero ajudar pessoas como eu a quebrarem seus tabus sobre riqueza e ajuda-las a criar vidas melhores para si mesmas e para os seus. Falarei sobre riqueza e darei dicas de como quebrar as crenças errôneas sobre escassez e se conectar com a vibração da abundância através de autoquestionamentos, visualizações e exercícios simples. Portanto, se você deseja mudar sua vida e sua relação com o dinheiro, me siga e acompanhe minhas publicações dedicadas a esse tema.

Elinaudo Barbosa
19 de setembro de 2016

2 comentários:

  1. Elinaudo, vou copiar aqui o q publiquei no meu grupo whatsapp da Polishop:
    Olá Diamantes! Sim, somos todos, pq uma semente já é uma árvore! Decidi compartilhar isso aqui com vcs pq me tocou muito. Esse rapaz é da minha cidade e o conheço faz tempo da causa animal. Ele tem trajetória de trabalhos para o crescimento humano e nesse link li algo que me falou fundo. Explico: entrei na Polishop a convite de um ser MUITO querido, Vitor Maciel, a quem tenho a honra de dizer que é meu primo. Mas desde então, entrei acreditando na empresa, mas não em mim... Compreendo que as crenças impedem, inclusive de combatê-las. Sei que sairei desse padrão vibratório para viver na Abundância. Todos podem. Mas até o momento me limito. E quando vi esse conteúdo senti um impulso gostoso de expor aqui minha dificuldade. Torço por vcs. Só falta fazer por mim. Enfim, compartilhar isso aqui é um degrau que subo. Pq vou acompanhar as postagens para aprender a me sentir merecedora de dinheiro e de todo o BEM que posso criar com a riqueza em mãos.
    http://elinaudobarbosa.blogspot.com.br/2016/09/vamos-falar-de-dinheiro.html?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana Patrícia, pelo comentário e pelo compartilhamento. Esse é o meu objetivo, usar meu próprio aprendizado para inspirar. Desejo boa sorte a você e aos membros do seu grupo. Sintam-se merecedores, sintam-se abundantes!

      Excluir

Comente com o Facebook: