terça-feira, 4 de novembro de 2014

Reforma Política, a hora é agora

Se queremos fazer a Reforma Política, o momento é agora. Se deixarmos passar, se nos deixarmos levar pelo jogo da direita, perderemos uma grande oportunidade criada nesse fim de pleito eleitoral, quando uma grande parcela da população brasileira se mobilizou em torno da candidatura de Dilma Rousseff, e continua em certa medida ainda bastante mobilizada.

É preciso aproveitar esse estado de mobilização para fazer avançar esse que foi um dos temas mais falados durante essas eleições. Dilma mencionou em seu primeiro discurso e continuou falando nas várias entrevistas que concedeu no dia seguinte à eleição, dando a entender que se tiver a força do povo, fará a reforma acontecer.

Esse é o momento melhor que temos, talvez o único. Acredito que se deixarmos passar essa oportunidade dificilmente conseguiremos mobilizar novamente o país. Tanto é que a direita, tendo consciência do poder de mobilização que temos hoje, está jogando tudo que pode para desviar a atenção. 

Essas manifestações pelo impeachment e até uma petição pedindo intervenção dos EUA podem até parecer pura maluquice de grupos isolados, mas elas fazem parte de uma estratégia bem maior, desenvolvida com um propósito muito claro, reafirmado inclusive pelo candidato oponente de Dilma, que é tirar o PT do poder.

Como parte da estratégia oposicionista, todo esse jogo que vai desde a continuação do denuncismo da mídia, passando pelos impropérios diários postados nas redes sociais e chegando nas passeatas pró-golpe, serve para tirar o foco da Reforma Política — que não interessa aos partidos de oposição e nem a muitos dos que compõem a base do governo — tem como objetivo manter petistas e simpatizantes ocupados com um debate inócuo, desmobilizando as pessoas que se uniram em torno da candidatura do PT.

E até agora a coisa tem funcionado. Os militantes e simpatizantes do PT e do governo Dilma tem estado muito mais ocupados rebatendo as críticas e tentando denunciar os excessos golpistas da direita do que divulgando a própria pauta.

É preciso quebrar a estratégia da oposição e colocar e manter a Reforma Política na pauta nacional. Sabemos que não podemos contar com a grande mídia, então é preciso manter o mesmo modo de agir que deu certo no segundo turno, que é a mobilização através das redes sociais e também a realização de manifestações de rua.

Sim, é preciso ir às ruas! 

Podemos fazer isso no dia 15 de novembro, fazer uma grande mobilização nacional em defesa da Reforma Política, trazendo novamente às ruas todas as pessoas que se mobilizaram na reta final da campanha. É preciso dar o recado: Para o Brasil seguir avançando, queremos a Reforma Política. E queremos agora!

Elinaudo Barbosa


Leia também:

0 comentários:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: